terça-feira, 12 de outubro de 2010

Le Pari: Capitulo 1 - Aproximação ao chão

Estou em queda livre, tanta coisa esta passando por minha cabeça agora, como na velocidade do vento que corre por minha orelhas, que nem sei em que pensar primeiro, na queda, com minhas partes expostas, na agradável sensações do vôo, digo aproveitar o momento e toda a felicidade neste instante presente, ou se fico me preocupando se o pára-quedas vai ou não abrir, tem momentos como os de agora que paro pra pensar em aproveitar todo esse êxtase que me provoca transe, e curtir a queda ao Maximo que puder, e enquanto tiver em meus pulmões o ar, mas de supetão vem a lembrança que uma hora o chão chega, que inclusive esta chegando rápido de mais, mas quando penso nela a aflição aumenta é quando vem a ansiedade e o desejo incontrolável que o pára-quedas se abra, e chegue logo o momento de puxar a corda, e quando chegar ao chão receba o beijo como recompensa, mas isso me aflige de tal forma que por vezes tomei atitudes precipitadas de acelerar minha queda, como inclinar minha cabeça em direção ao solo, juntando meus braços ao corpo e unindo as pernas com o objetivo reduzir a arrasto e aumentar a aerodinâmica, que no meu caso da trabalho, e acelerar o momento que terei que puxar a corda, e me esqueço que se estiver rápido de mais e o pára-quedas abrir ele pode rasgar e vou estourar no chão do mesmo jeito, é quando vem a duvida, relaxo e deixo cai, para o caso do pára-quedas abrir e tudo correr bem? ou penso só na queda e acelero o momento, pois o pára-quedas não vai abrir mesmo? não sei, acho que vou esperar...o chão se aproxima muito rápido e já posso sentir o gosto do barro entre meus dentes, dizem que nessas horas finais volta a você a grande fé ancestral, digo ser verdade, pois rogo a Deus todas as noites antes de dormir, que se abra o pára-quedas e eu tenha uma decida suave ate o beijo premio da pessoa que esta La em baixo a me esperar, e já posso ver-la, mas será que ela pode me ver? Espero que abra-se o pára-quedas.

Azia




Azia é uma sensação de queimação no esôfago. É vulcão dentro do peito, com núcleo ativo no alto da barriga, essa dor que geralmente eleva-se até o peito e pode irradiar até o pescoço e garganta, deixando você em aflição constate. É sensação de queimação, levando ate a garganta um gosto amargo e cítrico, como de amor perdido, desilusão, platônico sentimento exposta ao relento em muco ardente, que em sua erupção de maior intensidade pode levar as suas narinas o odor intolerante de tudo de ruim produzido por suas entranhas, é causada pela exposição do esôfago ao conteúdo ácido do estômago. Leva você a crer que suas vísceras estão em constante decomposição, como se em seu interior nada lhe fosse mais funcional, faz você lembrar que um estomago existe, e que seu peito não tem só um coração, mas outras vias de conexão, esôfago, traquéia, fossas nasais, tudo formando uma complexa rede unidas como uma brincadeira sem graça da quase perfeita formação embrionária, como que feito com o intuito de deixar-lo ainda mais irritado, te obrigando a controlar o que você ingere, por mais que você não queira fazer esse controle, é acido vulcânico que queima ao gosto acido da lava, queimando tudo, azia também foi identificada como uma das causas de asma e tosse crônica, quando esse derrame invade suas narinas, como se fosse ser liberadas em fumaça, um trago no cigarro? só lhe faz dar a lava o ultimo elemento de sua composição, tornando tudo que emerge de suas entranhas, ser fogo liquido e fumaça, as vezes acho que algumas pessoas deveriam ter azia no coração, pra lembrar que tem um, azia em seu cérebro, pra lembrar que racionalizar certas coisas é importante, já pensou, um cérebro aziado? Com seu muco acido escorrendo pelos ouvidos? E você dizendo por ai, levando a mão à testa, “- Estou com azia”, seria engraçado, quanta gente teria a lembrança de uma consciência, e teria que inalar sal de fruta para amenizar a queimação, seria bem interessante, ver pessoas de consciência aziada inalando sal de fruta pra amenizar a queimação, tudo isso seria hilário. Mas tudo isso tem uma prevenção, se azia acontecer quando estiver deitado, elevar a cabeça com travesseiros ou sente-se, geralmente provê alívio, porém deve-se ter cuidado para evitar colocar estresse contínuo no pescoço. Procurar não consumir certos alimentos antes do horário de dormir também é aconselhável para evitar ataques de azia, e não fume, lembre-se a fumaça pode complementar o ultimo elemento.