domingo, 28 de agosto de 2011

Simulação Imperfeita: Simulacro





simulacro (si-mu-la-cro)s. m.Imagem, cópia ou reprodução imperfeita. Aparência, semelhança, arremedo: simulacro de governo. Fingimento, simulação: simulacro de combate.

Todos os dias em alvorada abrimos os olhos e damos boas vindas a mais um dia, talvez ate preocupados com a singularidade de sua presença nesse mundo, tem dias que você ate pensa se esta fazenda algo de único, de singular, algo inimitável em seu mundo tão limitado, a camisa que veste, as palavras que usa, o gestos que deflagra, o perfume que se banha, o andar que profere, o texto que escreve ate a personalidade que lhe denominam única e somente sua, não é.

Tudo junto convergindo em um complexo simulacro, tudo imitado e mimetizado na quilo que você agregou a sua existência como parte de sua carapuça, você não é único, é apenas uma cópia malfeita de milhões de coisas que foi agregado a seu pêlo, como a espuma da cerveja em seu buço, foi encravada ao seu jeito, a sua forma, por você mesmo, somos todos Frankeinstain de idéias originais, originadas de simulações maufeitas de coisas existentes, que pra existirem precisaram ser copiadas e reproduzidas de outras coisa que foram mau simuladas, convergindo em espiral cônica ao nada, de onde tudo surge, de onde tudo nasce mesmo em cópia, não se iluda nem deleite-se em elogios a originalidade, pois na verdade ele é apenas um simulação, um cópia do que já existia, e dada o nível do fracasso em realizar a maldita cópia acaba sendo original, mesmo por ser a pior simulação já feita, copiar não é simplismente fazer igual, mas sim fazer com que ninguém perceba que foi uma copia assim a originalidade será exaltada, como uma chave, abre portas a hiper-realidade que protege a todos do que possa ser ameaça a “iconicidade” (algo icônico) do que levou anos para existir, como uma composição parte a parte, bemol a bemol, esta grande montagem toma forma e você, artista com escopo em mão lança a multidão a sua mais bela obra hiper-realista, VOÇÊ, simulacro da realidade de todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário