terça-feira, 20 de setembro de 2011

Projeto Ambigrama: Só uma Transa: A privatização do relacionamento Ba...

Projeto Ambigrama: Só uma Transa: A privatização do relacionamento Ba...: “...É simples, a mulher trás em si o desejo de ser cuidada e ouvida, então vamos cuidar, ouvir e divertir-las fazendo-a...

Só uma Transa: A privatização do relacionamento Banalizado.


Foto: Lana Pinho
“...É simples, a mulher trás em si o desejo de ser cuidada e ouvida, então vamos cuidar, ouvir e divertir-las fazendo-as sempre rir de você ou com você...” 

  Estava pensando sobre as relações homem mulher nos dia de hoje, e me perguntando sobre os medos que envolvem esse jogo, percebi que mulheres têm medo de envolver-se e os homens tem medo de serem envolvidos, e tudo acaba virando uma grande disputa, o que acaba tornando coisas tão legais, e intimas, um banalidade, hoje é mais fácil encontrar uma mulher pra te satisfazer, do que uma que te satisfaça, pois a grande maioria escondem-se em grandes cápsulas protetoras que acaba confundido seus próprios sentimentos. 

“...Mulher quer sexo tanto quanto o homem quer... elas não querem mais Amorzinho, querem Hard Core Sexy...”


Outro dia um amigo disse: “...Mulher quer sexo tanto quanto o homem... elas não querem mais amorzinho, querem hard core sexy...” concordo no que tange o desejo feminino de ter o sexo tanto quanto o homem, e por que não ter? Mesmo de forma fácil e prática, como em qualquer roteiro clichê de  filme pornô, onde o ator encosta e pede um drink, olha a triz dizendo “-E ai Gata? Vamos transar?”,  racionais que somos tendemos a nos lembrar de bons momentos por muito tempo, as mulheres mais que os homens, é verdade, então por que banalizar? Ao invés de 3 horas de puro Hard Core Sexy em um motel barato, porque não ser uma noite ou mais, madrugada inteira, com luz da lua, som do mar, você fazendo um jantar pra ela com um bom vinho antes de deitar, e ainda leva café na cama quando amanhecer, do jeito que ela gosta, após um madrugada de transa bem divertida ou não, pode ser apenas uma noite juntos abraçados ate pegar no sono, e no dia seguinte ainda ligar pra ela no trabalho, no momento de maior stress, ela vai lembrar e relaxar, contando com orgulho as amigas a noite anterior que teve com você, então por que banalizar? quando tudo pode ser melhor produzido de forma a fazer ela não esquecer, mesmo que seja no primeiro encontro, mesmo que tenham acabado de se conhecer, ou por uma só noite, ou ainda mesmo surpreender em todas as noites que tiverem? Por que se a MULHER permitir, quando acabar sempre vai lembrar como a melhor noite que teve, e era VOCÊ o homem que estava lá do lado dela, mesmo que tenham apenas ficado abraçados a noite toda ate dormir. 

"...As mulheres cada dia mais estão querendo vir morar em Marte ..."

Mas porque cada vez menos mulheres dão abertura a tais cortesias? Talvez tenha a ver com os desejos e ambições feministas, eu, feminista como sou, apoio a emancipação feminina, no que diz respeito a tudo o que um homem é capaz de fazer em responsabilidade, mas o que aconteceu com aquela mulher que nos dava o direito a gentileza, que nos dava a chance de puxar uma cadeira em um encontro, sentar-se somente depois dela e ate encantava-se com olhares em brilho apos uma rosa recebida, hoje esta tudo tão jogado na parede, como escarro seco brilhando. As mulheres cada dia mais estão querendo vir morar em Marte, mas é tão legal o fato delas serem de Venus e termos que ir ate lá buscá-las. Não vejo mal nenhum, nem para o homem nem para a mulher, fatores ate “pré-julgativos” como transar no primeiro encontro, ter filhos, morar sozinha, fatores que fazem muitos homens julgar de forma Babaca o perfil de uma mulher. Afinal, a mulher, bem como suas intimas e obscenas obsessões fisicas, merece ser colocada em pedestal, mas não como frágil item de mera adoração ou objeto de idolatria, inatingivel, inalcançado, muito pelo contrário, completamente palpavel e palpavel com boas mãos, como uma força que apetece aos olhos dos mais finos tratos, ao paladar mais refinado, que pode de livre trato cuidar e dar a devida atenção merecida a toda mulher, ser saboreada e saborear também, pois os desejos são humanos e mútuos.  


"...Sinto falta das flores..."


Lana Pinho (Foto: Lana Pinho)
Sinto falta das flores, de sentar a beira da cama olhando ela dormir esperando ela acordar com o café pronto, mesmo que tenha acabado de conhecer-la, vê-la abrir os olhos com aquele sorriso encantador, de pouca maquiagem, que toda mulher tem ao acordar após ter tido uma noite maravilhosa de divertida e entusiasmada transa, seja quantas tenha sido na noite, ou nenhuma, e ouvir ela dizer: “- Olá estranho”, tudo isso faz você ter a certeza que mesmo que ela nunca mais volte a vê-lo, mesmo que você nunca mais a encontre, você fez por ela o que todo homem deve fazer por uma mulher espetacular como ela, seja ela quem for, fez de cada noite a melhor noite da vida dela, se fazendo inesquecível. 




 "...dava-se rosa as mulheres como demostração de um afeto admiravel e gentileza suprema, a rosa que assim representa a própria mulher...."


Cada dia mais, menos espaço encontramos
Lana Pinho (Fotos: Lana Pinho)
pra isso, e somos lançado diariamente contra uma parede de concreto e alem, jogando em nosso peito uma aflição e um tédio quase que “poisonous” pela banalização do envolvimento, mesmo que casual. Um dia TODOS sentiram falta dos tempos passados e relincharam aos seus filhos e netos lembrando do tempo, antes de seu tempo, em que dava-se rosa as mulheres como demostração de um afeto admirável e gentileza suprema, a rosa que assim representa a própria mulher, suave em suas pétalas, voraz em sua exuberância, em cores lança seu perfume doce envolvente, atraindo insignificantes insetos a polenizala, espinhos que nunca machucão quando se sabe como cuidar, em manuseio delicado, e quando machuca foi por merecer, pois tal criação não se exime nem do direito de ser bela e cuidado especial é o que lhe garante brilho eterno bela flor.



Fico triste em saber que cada dia mais vejo todo esse envolvimento e cuidado mutuo tão banalizado e ridicularizado que um dia, tristemente vou erguer a voz e dizer...

Bons Tempos!!